Os chefes de estado reunidos na 55ª sessão ordinária instruiu a comissão da CEDEAO e o banco central a acelerar a operacionalização do fundo especial para financiamento do programa do roteiro revisto para o programa de moeda única de CEDEAO denominado “ECO” a ser implementada em 2020.

A conferência dos chefes de estado de CEDEAO notou a degradação da convergência macroeconómica e exorta os estados membros a redobrar os esforços para melhorar o seu desempenho tendo em conta o aproximar do prazo estabelecido para a criação da união monetária.

Sobre o assunto, a Rádio Sol Mansi falou com o economista guineenses Josué Almeida que afirmou que a adopção da moeda única pela Guiné-Bissau será vantajosa se reunir alguns critérios como a baixa inflação.

“ Existe critérios de convergência que ao ser reunidas, pode-se aderir a moeda única. A Guiné-Bissau possui todos os critérios cumpridas, isto é, a baixa inflação, deficit fiscal bom, mas o único problema que pode dificultar a própria moeda é a questão da reserva cambial. Neste momento, por exemplo, o franco cfa possui a sua reserva no banco central francês, portanto, tem que se arranjar forma de criar reserva que permita com que a sua moeda seja convertível” diz para depois afirmar que “os países que cumprir com o critério de reserva cambial, pode aderir porque a adesão é gradual não significa que em 2020 todos os países têm que aderir”.

Por outro lado, o economista sublinhou que com a Nigéria fora do projecto da moeda única pode complicar a sua gerência.

“ Ter o ECO (moeda única) é bom para a Guiné-Bissau. Pode não ser bom para a Nigéria ou Cabo-verde mas nós que pertencemos a moeda franco cfa, ao substituí-lo, não há grandes problemas. É simplesmente estabelecer métodos de controlo e critérios de convergência existente. Tudo isso será bom para a Guiné-Bissau desde que seja moeda convertível. Países com grandes problemas de aderência são a Nigéria que a sua moeda sofre muitos ataques por vários países e também flutua muito. Se tivemos a moeda nigeriana (naira) dentro do ECO, pode ser um problema complicado a gerir mas tê-lo também fora, pode ser complicado porque a maior parte de transacção dentro de África Ocidental é com (naira) a moeda nigeriana”, aconselha o economista.

A conferência adoptou o regime cambial flexível acompanhado por um quadro de política monetária alicerçada sobre pressões inflacionárias e o sistema federal para o banco central comunitário.

O símbolo da moeda única será apresentado a conferência na próxima sessão ordinária.

De referir que a África Ocidental possui oito moedas diferentes, isto, sete países com respectiva moeda.

Cabo-verde não manifestou interesse na adesão a moeda única tendo em conta seu arranjo com Portugal que o apoia na conversão da sua moeda, disse o economista.

Por: Nautaran Marcos Có

Podcast

podcast

Escute quando quiser as emissões da Rádio Sol Mansi.

 

 

 

Ouvir

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più