O presidente da República solicitou hoje o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) a indicar o nome para o cargo do primeiro-ministro.

"Na minha qualidade de Presidente da República e no exercício das atribuições que me são conferidas pela Constituição da República, sirvo-me da presente para convidar o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde a indicar o nome do seu candidato ao cargo de primeiro-ministro, por ter sido o partido político que obteve maior número de mandatos na Assembleia Nacional Popular e ainda em resultado das audições aos partidos políticos com assento parlamentar, que tiveram lugar no dia 14 de junho de 2019, na Presidência da República", lê-se na carta, enviada ao PAIGC.

O PAIGC venceu as eleições legislativas de 10 de março, mas sem maioria, tendo obtido apenas 47 dos 102 deputados do parlamento, o que levou o partido a fazer um acordo de incidência parlamentar e governativa com mais três formações política com assento parlamentar para conseguir 54 deputados, nomeadamente Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), União para a Mudança e Partido da Nova Democracia.

Em declarações aos jornalistas hoje, no final de uma audiência com o chefe de Estado, José Mário Vaz, o embaixador dos Estados Unidos para a Guiné-Bissau, Tulinanbo Musingi, afirmou que o Presidente lhe tinha prometido enviar hoje a carta ao PAIGC para indicar o nome do primeiro-ministro.

As eleições legislativas na Guiné-Bissau realizaram-se a 10 de março, mas o Presidente guineense, José Mário Vaz, só ouviu sexta-feira os partidos políticos com assento parlamentar. Na altura, a vice-presidente do PAIGC, Odete Semedo, afirmou que José Mário Vaz lhe tinha dado garantias de que iria cumprir escrupulosamente a lei.

A comunidade internacional, incluindo a União Europeia, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a Organização das Nações Unidas (ONU), a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a União Africana, tem apelado para a nomeação do primeiro-ministro.

Ainda hoje, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, reiterou a posição portuguesa: "A nosso ver, não há nenhuma razão para que, mais de três meses depois das eleições legislativas, não esteja formado um Governo na Guiné-Bissau, porque o presidente da República da Guiné-Bissau ainda não indigitou o primeiro-ministro", apontou.

José Mário Vaz tem alegado que ainda não indigitou o primeiro-ministro e nomeou o Governo devido ao impasse que existe para a eleição da mesa da Assembleia Nacional Popular.

Depois de Cipriano Cassamá, do PAIGC, ter sido reconduzido no cargo de presidente do parlamento, e Nuno Nabian, APU-PDGB, ter sido eleito primeiro vice-presidente, a maior parte dos deputados guineenses votou contra o nome do coordenador do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), Braima Camará, para segundo vice-presidente do parlamento.

O Presidente guineense cumpre cinco anos de mandato a 23 de Junho. Na terça-feira, vai realizar auscultações com os partidos políticos, Comissão Nacional de Eleições e Assembleia Nacional Popular para a marcação da data das presidenciais.

A redacção

Podcast

podcast

Escute quando quiser as emissões da Rádio Sol Mansi.

 

 

 

Ouvir

Escreva à RSM

email 

Entre em contato com a Rádio Sol Mansi.

Continuar

Ajuda RSM

helpContribua para a manutenção dos nossos equipamentos e a formação da nossa equipa.

Ajuda

Questo sito fa uso di cookie per migliorare l’esperienza di navigazione degli utenti e per raccogliere informazioni sull’utilizzo del sito stesso. Leggi di più